Autismo: Maria Rosas é relatora da proposta que estabelece às instituições de ensino um canal de denúncia para descumprimentos legais

Deputada Maria Rosas; Foto: Douglas Gomes

A republicana Maria Rosas (PRB-PR) é relatora do Projeto de Lei 1.688 de 2019 que estabelece que instituições de ensino criem meios para o registro de descumprimento da Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista.

Para a deputada, a experiência dos últimos anos tem demonstrado como é importante o reconhecimento das pessoas com deficiência como cidadãos, com pleno acesso a seus direitos civis e constitucionais.

“Construir uma via oficial para denunciar situações em que os direitos educacionais das pessoas autistas são descumpridos e, ter assegurada uma resposta efetiva do Poder Público às reclamações feitas, é uma ferramenta de mediação que pode apoiar tanto as famílias quanto as instituições de ensino”, aponta a parlamentar.

O PL não visa imputar às instituições de ensino a atribuição de funcionar como ouvidoria, mas ao próprio Poder Público a responsabilidade de instituir um disque-denúncia, de acesso gratuito, para receber as reclamações e encaminhá-las, obrigatoriamente, para as autoridades responsáveis.

“O PL pode constituir uma medida eficaz para assegurar, não só o direito à educação inclusiva, plena e ao longo da vida para todos os autistas, mas os demais direitos que lhes são garantidos por lei”, conclui.

Saiba Mais

A pessoa com transtorno do espectro autista é considerada pessoa com deficiência, para todos os efeitos legais. Assim, todas as garantias educacionais estabelecidas para as pessoas com deficiência pela Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, pela Lei Brasileira de Inclusão, pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, pelo Estatuto da Criança e do Adolescente e por qualquer outra lei ou regulamento infralegal são asseguradas às pessoas autistas.

Os autistas têm ainda direito à educação e ao ensino profissionalizante, no entanto, para esse direito ser plenamente exercido, são necessárias condições de acessibilidade. Em casos de comprovada necessidade, a pessoa com transtorno do espectro autista incluída nas classes comuns de ensino regular terá direito a acompanhante especializado.

Texto: Ascom da deputada Maria Rosas (PRB-PR).
Foto: Douglas Gomes

Comentário(s)

Comentário(s)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.